Desenho original dos aros olímpicos vai a leilão e deve ser arrematado por R$ 605 mil

Relíquia das Olimpíadas foi criada pelo Barão Pierre de Coubertin em 1913

Desenho original dos aros olímpicos vai a leilão e deve ser arrematado por R$ 605 mil
Desenho original dos aros olímpicos foi criado em 1913 — Foto: Reprodução

Um dos maiores símbolos das Olimpíadas vai a leilão no próximo domingo. O desenho original dos aros olímpicos, criado pelo Barão Pierre de Coubertin, vai ser um dos itens à disposição dos compradores na Casa de Leilão de Cannes. O lance mínimo é de 50 mil euros (quase R$ 303 mil), mas estima-se que a relíquia do fundador dos Jogos seja arrematada por 100 mil euros (mais de R$ 605 mil).

O desenho original dos aros olímpicos mede 21 x 21,5cm, é autografado e feito de grafite e tinta gauche. A relíquia estava em uma coleção particular na Suíça.

Criado em 1913, o símbolo olímpico seria apresentado em congresso do Comitê Olímpico Internacional (COI) de 1914, mas, por causa da Primeira Guerra Mundial, só foi exibido nas Olimpíadas da Antuérpia em 1920. Os anéis entrelaçados representam a união dos cinco continentes, e as cores foram escolhidas de modo que todos os países tivessem pelo menos uma cor de sua bandeira representada.

Aros olímpicos são o maior símbolo dos Jogos — Foto: Divulgação/MEAros olímpicos são o maior símbolo dos Jogos — Foto: Divulgação/ME

Em dezembro do ano passado, outra relíquia olímpica foi leiloada. O manifesto escrito pelo Barão Pierre de Coubertin, que levou ao ressurgimento das Olimpíadas e à criação do COI em 1894, foi arrematado por mais de US$ 8,8 milhões (mais de R$ 46,3 milhões). O comprador foi o bilionário russo Alisher Usmanov, presidente da Federação Internacional de Esgrima. Ele doou o documento ao Museu Olímpico do COI, em Lausanne, na Suíça.